Docentes aprovam centralidade da luta no 38º Congresso do ANDES-SN

29/01/19

“Atuar buscando maior mobilização da base, pela construção de uma ampla unidade para combater a contrarreforma da previdência, as privatizações e revogar a EC 95. Defender a livre expressão, organização e manifestação, enfrentando as medidas antidemocráticas de extrema direita: defender os direitos fundamentais dos (as) trabalhadores e trabalhadoras; os serviços e os (as) servidores (as) públicos (as), bem como o financiamento público para Educação, Pesquisa e Saúde Públicas. Para tanto, empenhar-se na construção de uma Frente Nacional Unitária, como espaço de aglutinação para essa luta, contribuindo assim para avançar na organização da classe trabalhadora”.

Este texto será o norteador da centralidade da luta e das ações do Sindicato Nacional durante o ano de 2019. Ele foi aprovado sem nenhum voto contrário e com algumas abstenções pelos docentes presentes no 38º Congresso do ANDES-SN na noite de segunda-feira (28).

Para Augusto Cerqueira, da direção da APES, a formulação tem a importante função de estabelecer o  foco  das ações das Seções Sindicais do ANDES-SN. “A centralidade da luta expressa os desafios do período e o esforço da base em direção à unidade da categoria docente, para que possamos trabalhar em frentes amplas com unidade de ação na defesa da categoria e da classe trabalhadora. Na atual conjuntura, a atuação do sindicato em conjunto as demais forças progressistas é fundamental para a defesa das instituições públicas de ensino”, disse.