Confira as noticias da Mobilização Docente

  • Reading time:10 mins read

 

Assembleia aprova paralisação na UFJF e no IF Sudeste MG na segunda feira

           Professores a professoras do IF Sudeste MG, reunidos em assembleia, na manhã dessa sexta feira, realizaram o debate a respeito do índice de reajuste do Plano APES/UNIMED  e aprovaram a  paralisação da categoria na segunda feira, 24 de outubro. Aprovaram também o calendário de lutas proposto pelo FONASEFE,  Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais, que inclui manifestação neste Dia Nacional de Lutas dos Servidores Públicos, em Brasília e nos estados, contra a aprovação da PEC 241.
Para este dia de lutas, os docentes marcaram concentração às 8h da manhã de segunda feira na sede da APES. No mesmo horário, professores e professoras do IF Sudeste MG se reúnem no campus Juiz de Fora do Instituto para realização de panfletagens, aula pública e debates.
Os docentes ressaltaram que a PEC 241, que congela investimentos do estado, representa o sucateamento da Educação Pública e reafirmaram a necessidade de construção da greve geral. Diante dos ataques à educação pública e da dinâmica de mobilização nacional, a categoria iniciou a discussão sobre a greve do Setor da Educação.
Com relação ao Plano de Saúde, foi aprovado o índice de reajuste de 5,64% nas mensalidades e 13,57% nas consultas, exames e procedimentos. Deliberou-se também pela  ampliação da Comissão de Saúde da APES e dar sequência à negociação com a UNIMED sobre a estrutura, abrangência e qualidade do Plano.Confira a matéria em vídeo na APESTV clicando aqui

Docentes reunidos em assembleia aprovaram paralisação

APES realizou audiência com Reitor da UFJF


           No dia 18 de outubro, a Diretoria da APES esteve em audiência com o Reitor da UFJF, professor Marcos David e com a Vice Reitora, Girlene Alves. Foram tratadas questões como o orçamento das IFES e UFJF,  a Instrução Normativa a respeito da redução de vagas nas IFE, a viabilização de concursos públicos, o posicionamento da reitoria sobre a MP 746 e a PEC 241, o posicionamento da Andifes sobre as ações do governo de ataque aos direitos, o anúncio de cortes de bolsas de produtividade, além do calendário de mobilização da categoria. A reunião teve inicio com o Presidente Rubens Luiz Rodrigues apresentando a Diretoria da APES, que registrou seu compromisso em desenvolver um diálogo permanente com a Administração Superior, apresentando as demandas docentes e debatendo os desafios colocados para a UFJF. Marcos David lembrou que contatou Rubens depois da posse para reforçar o compromisso de manter o canal de diálogo.

Veja o que disse a Administração Superior da UFJF

        Corte de bolsas produtividade do CNPQ

          

          Os cortes variam entre 20% a 30% para as bolsas existentes, sem definição sobre novas bolsas.

           Cortes no Orçamento

           A informação é de que, no ano de 2016, a liberação da verba de custeio chega a 80%. Na verba de capital, atinge os 50%, com contingenciamento de 20% e 50% respectivamente.  É sinalização do MEC que a liberação das duas verbas pode ter um acréscimo de 10% até o fim do ano. Quanto a 2017, haverá uma diminuição, saindo de R$ 3,3 bi de orçamento global (custeio e capital) da IFES para R$ 3,1 bi. A UFJF deve ter um corte próximo a 16%. A Reitoria afirmou que deverá realizar em breve uma reunião ampliada para apresentar o quadro para 2017

           Corte de vagas

          A Instrução Normativa do MEC relativa às vagas determina  procedimentos menos rígidos e burocráticos para as instituições proporem redução de vagas nos cursos. O presidente da APES questionou de se isso não se configura como mecanismo de facilitação da redução de vagas nas públicas. A Administração admitiram essa possibilidade com a vice reitora alertando para os cursos com grande evasão, que, ao invés de buscar resolver a questão, optam pela redução.

           MP 746 e a PEC 241

           Serão pauta da próxima reunião do CONSU para o posicionamento da UFJF

           Concursos Públicos

           O Banco de Professor Equivalente segue com reposição automática. Informou que havia o compromisso do Mpog com a liberação de 4000 vagas entre TAE e docentes. No entanto, o Ministério negociou apenas 1400 vagas com o Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão,que até o momento não foram distribuídas em função da indefinição dos critérios.

           Concursos em Governador Valadares

           Em Governador Valadares, das 400 vagas para Técnicos Administrativos em Educação e  Docentes, restam 15 de TAE autorizadas. No curso de Medicina Veterinária, de 40 docentes, só existem 15 autorizados, e o curso, que já está no 5º Período não tem professores para especialidades. Sobre o Titular Livre não há provimento de cargo.

           Obras

           As obras em Governador Valadares, no Hospital Universitário e do Teleférico envolveram aspectos jurídicos além de orçamentários. Outras obras dentro da UFJF como Parque Tecnológico e Anel Viário estavam sob responsabilidade de empresas que apresentaram problemas e a UFJF questionou suas ações que já envolvem 150 milhões empenhados. Já que a Controladoria Geral da União autoriza mudar a empresa, mantendo o objeto, sendo possível alterar o projeto, a reitoria pautará o debate com a comunidade.

           Estágio Probatório

           A Vice Reitora, Girlene Alves, disse que a Administração está trabalhando no percurso formativo exigido na UFJF para estágio probatório. A decisão da reitoria é de adotar o que determina a lei que estabelece 20h de acolhimento, revogando a portaria da UFJF que exigia 120 horas. Informou ainda que há processos atrasados, que serão tratados a partir da nova determinação.

           Reitor denuncia desmonte do Estado

           Durante a audiência O Reitor avaliou que há em curso um projeto efetivo de desmonte do estado. Destacou que a PEC 241 por si só não garante o que pretende. Para ele, será  necessária outra medida de restrição do caráter público de políticas sociais e perdas de direitos para assegurar o teto previsto. Ele acredita que a  reforma da previdência é parte disso. Disse que a EBSERH não fez todos os repasses, o que produz falta de recursos para pagamentos e remédios.
                                            APES convida para festa docente
 

 

                                                            Confira Agenda de Mobilização

 

 

Ato Público em defesa da Educação se realiza na escadaria da Câmara dos Vereadores