A Ômicron e a volta às aulas presenciais em Juiz de Fora

  • Reading time:4 mins read

O negacionismo do governo federal, os atrasos propositais em todo o processo de vacinação, a pressão pela volta às aulas presenciais, em conjunto com a variante Ômicron explodindo nos dados atuais ainda que subnotificados, criam um cenário grave.

A prefeitura de Juiz de Fora liberou o calendário de vacinação de crianças e adolescentes (veja abaixo), no entanto, como ressaltado sempre nos comunicados da PJF, o início do processo depende da disponibilização do imunizante pelo governo federal, tendo o estado de Minas a responsabilidade de repassar aos municípios. O problema é que, ainda que o repasse se dê como prometido, os atrasos em todo o processo colocam em risco a vida de estudantes, professores e outros trabalhadores ligados à educação.

Isto porque, tomando como exemplo o calendário escolar de 2022 da Rede Municipal de Ensino, vamos ver que o início das aulas presenciais em Juiz de Fora está marcado para o dia 1º de fevereiro, enquanto o início da vacinação está marcada para o dia 20 de janeiro, passando pelas faixas etárias, indo até 08 de fevereiro. Isto quer dizer que, ainda que todos os pais levem suas crianças e que haja vacina entregue pelo governo, parte das crianças estará em salas de aulas lotadas com apenas uma dose, ou seja, com imunização incompleta, e outra parte sem dose alguma, totalmente desprotegida.  

A novela que se criou em torno do negacionismo do governo federal, os atrasos propositais em todo o processo de vacinação, a pressão pela volta às aulas presenciais, em conjunto com a variante Ômicron explodindo nos dados atuais ainda que subnotificados, criam um cenário grave, com tendência para a sobrecarga do SUS, com mortes e fechamento futuro desordenado de escolas, comércio etc.

“Podemos até comemorar o anúncio da vacinação infantil como medida fundamental de proteção para nossas crianças, mas precisamos também acompanhar muito de perto a evolução da pandemia e, se for caso, adiar esse retorno presencial das escolas em nossas cidades. E devemos reforçar, isso é resultado direto da política genocida do governo federal e de seu representante no governo do estado” disse Augusto Cerqueira da diretoria da APES.

CONFIRA O CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO

Quinta-feira (20/01) – Crianças de 11 anos 

Sexta-feira (21/01) – Crianças de 11 anos 

Segunda-feira (24/01) – Crianças de 10 anos 

Terça-feira (25/01) – Crianças de 10 anos 

Quarta-feira (26/01) – Crianças de 9 anos 

Quinta-feira (27/01) – Crianças de 9 anos 

Sexta-feira (28/01) – Crianças de 8 anos 

Segunda-feira  (31/01) – Crianças de 8 anos 

Terça-feira (01/02) – Crianças de 7 anos 

Quarta-feira (02/02) – Crianças de 7 anos

Quinta-feira (03/02) – Crianças de 6 anos 

Sexta-feira (04/02) – Crianças de 6 anos

Segunda-feira (07/02) – Crianças de 5 anos 

Terça-feira (8/02) – Crianças de 5 anos

*A manutenção das datas deste calendário dependem da disponibilização das doses do imunizante por parte do Ministério da Saúde (MS). O intervalo entre a primeira e segunda aplicação inicialmente será de oito semanas. Os locais de vacinação para as crianças serão divulgados posteriormente pela PJF. A partir das 8h desta sexta-feira, 14, estará disponível no site da PJF a ficha para o pré-cadastro para a vacinação das crianças.