ANDES-SN e MEC retomam agenda de debates

  • por

Os diretores do ANDES-SN se reuniram na manhã desta quinta-feira (22) com o novo ministro da Educação, Aloizio Mercadante. Na pauta, diversas questões como Campanha 2012, carreira docente, os PL 2203/2011 e 2134/2011.
Marina Barbosa, presidente do Sindicato Nacional, ressaltou já no início de sua fala que o objetivo da entidade é definir uma agenda permanente de diálogo com o MEC, uma vez que, no entendimento do ANDES-SN, a conversa dos professores com o governo deve passar pelo ministério competente pela educação.
“Viemos aqui fazer uma reivindicação formal de uma agenda permanente com o MEC. Muitas das conversas foram desviadas para o Ministério do Planejamento e vários debates de fundo conceitual e que dizem respeito ao projeto de universidade que defendemos passaram a ser questões gerenciais, tratadas apenas pelo caráter administrativo”, explicou Marina.
Mercadante disse concordar com Marina e assumiu o compromisso de manter uma relação direta do MEC com o Sindicato Nacional, através da Secretaria de Educação Superior (Sesu). “Também queremos debater projeto de universidade, formas de financiamento, democracia acadêmica”, disse o ministro, reconhecendo que existem divergências ideológicas, mas que isso não deve impedir o debate.
Novas vagas Em relação ao PL 2134/2011, que prevê a contratação de mais de 19 mil professores federais, Mercadante propôs uma ação coordenada do MEC, Andifes e ANDES-SN para pressionar a Câmara a agilizar a tramitação na casa. “Precisamos fazer um movimento forte, que sensibilize os deputados. A aprovação deste PL é indispensável para a continuidade do projeto de universidade e essa demora compromete todo o processo”, comentou.
Carreira Já em relação ao PL 2203/2011, que traz componentes do acordo emergencial firmado entre o governo e no Sindicato Nacional, o ministro se declarou preocupado com a morosidade no andamento do mesmo, também em tramitação na Câmara, e disse apoiar a posição do ANDES-SN contrária a Seção XXIV, que pretende alterar o Regime Jurídico Único (RJU) no que diz respeito à insalubridade e periculosidade.
O chefe da pasta da Educação se mostrou preocupado com o prazo das negociações para reestruturação da carreira do professor federal e ainda salientou que não pretende ‘empurrar com a barriga’. “Acho que o governo deve apresentar logo sua proposta e em cima dela discutimos as diferenças. Já tive uma reunião com o Planejamento e pedi prioridade na agenda deles para a negociação com os professores. Acompanharemos o processo de perto”, informou, declarando também ser favorável a um aumento no piso salarial da categoria.

Compromisso “O ministro assumiu publicamente o compromisso de manter uma interlocução permanente com o ANDES-SN e se mostrou disposto a debater os pontos de pauta que apresentamos e que dizem respeito à concepção de educação, pública, gratuita e de qualidade que defendemos”, avaliou Marina Barbosa.
“Buscaremos com esta agenda tratar os grandes temas que estão na pauta do ANDES-SN, com a Ebserh, a questão do produtivismo acadêmico, os problemas de infraestrutura nas instituições, os Colégios de Aplicação e Cefets. Tudo isso já foi apresentado nesta reunião, e daqui para frente trataremos ponto a ponto com o MEC/Sesu”, completou a presidente do ANDES-SN.
Uma próxima reunião já foi agendada, para quarta-feira (28), com o secretário da Sesu, Amaro Lins, para discutir a reestruturação da carreira docente. No dia seguinte, o ANDES-SN e se reúne com o Ministério do Planejamento e o MEC para retomar as negociações específicas com os professores.

Fonte: ANDES-SN