APES divulga nota sobre a possibilidade de precarização dos Projetos Pedagógicos de Cursos, com a utilização da EAD, para ajustes em calendários acadêmicos dos próximos anos – Sindicato convoca reunião com a base para debater o tema

  • Reading time:5 mins read

Acompanhe abaixo a Nota da Diretoria da APES sobre precarização dos Projetos Pedagógicos de Cursos (PCCs.)

Sindicato também organiza reunião sobre o tema nesta sexta feira, de maneira on line, às 13h30.

Para participar, basta clicar aqui

ID da reunião: 813 5506 0512

IF Sudeste MG – Campus Juiz de Fora: APES resiste à proposta de precarização dos PPCs, com a utilização da EAD, para ajustes em calendários acadêmicos dos próximos anos

A Apes, ao longo dos seus mais de 40 anos de história, de lutas e de conquistas para a carreira docente, sempre se pautou pela defesa intransigente da educação pública, gratuita, de qualidade para todas e todos. Sempre defendeu a categoria docente no intuito de vê-la reconhecida socialmente e em condições dignas de trabalho que sustentasse a defesa da autonomia docente e sua expressão no amplo exercício das suas atividades de ensino, de pesquisa e de extensão. Como um sindicato de docentes, guia-se pelas deliberações em espaços de amplo debate e divergência, respeitando as posições defendidas pela categoria nas suas assembleias e espaços outros de deliberação.
A Apes consolida-se assim como uma representante da categoria docente EBTT, tem assento no Conselho Superior do IF Sudeste MG, eleita pelos docentes do Instituto Federal e participa no Conselho de Campus em Juiz de Fora. Na atual gestão, a Apes conta com dois diretores e três representantes docentes do quadro permanente do Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais.
O e-mail publicado ontem (1/dez) pela Diretoria de Ensino do Campus Juiz de Fora, apresenta um equívoco na condução de propostas para o calendário acadêmico 2022. Conforme apurado pela Apes, em consulta formalizada junto à Pró-Reitoria de Ensino e Direção de Ensino da Reitoria, de forma a sanar dúvidas da comunidade sobre o tema, obteve-se a seguinte resposta:

“Em reunião do Comitê de Ensino do IF Sudeste MG, ocorrida no dia 25 de novembro de 2021, foi proposto em acordo com todos os membros, que o ano letivo de 2023 comece a partir do dia 27/02/2023. Essa data leva em consideração os términos dos calendários letivos dos campi que foram apresentados nesta referida reunião.
A proposta de início no dia 27/02/2023 leva em consideração também o Processo Seletivo, pois por ele ser unificado, os ingressantes não podem perder mais que 30 dias de aulas, pois isso compromete sua adaptação na instituição e no curso e, também, seu rendimento escolar. Porém, não é necessário que todos os campi comecem suas aulas no dia 27/02, eles podem começar depois desta data e não antes, pois quanto mais tarde o campus inicie suas aulas, menos aulas o ingressante da 2ªchamada e lista de espera perde. Entretanto, começar muito tarde, pode influenciar no calendário do Processo Seletivo do próximo semestre letivo também, por isso é importante uma certa coerência entre os calendários dos campi.
Ressalta-se que a PROEN não determinou nenhum calendário ou início ou fim de semestre letivo, muito pelo contrário, a PROEN organizou as discussões e deu autonomia para os campi organizarem seus calendários. Com isso, as propostas de início dos calendários foram decididas pelo Comitê de Ensino.”

Assim, convidamos as professoras e os professores para uma reunião virtual dos docentes do Campus Juiz de Fora, dia 3 dezembro, sexta-feira, às 13h30, no link https://us06web.zoom.us/j/81355060512.
Um momento de diálogo, escuta atenta e democrática frente aos desafios e para a defesa intransigente da educação pública, gratuita, presencial e de qualidade.
Por fim, cabe ressaltar o nosso estranhamento na recusa da Diretoria de Ensino do Campus Juiz de Fora, à solicitação de reunião com os representantes da Apes. A reunião foi motivada para que se pudessem tecer esclarecimentos sobre a proposta de alterações dos PPCs de todos os cursos da instituição e do calendário de 2022. A demanda pela reunião se deu em função das movimentações que estão ocorrendo na instituição para tratar do ano letivo de 2022. Os docentes nos procuraram com as suas inquietações e como de costume, a Direção da Apes encaminhou a demanda da reunião para a Diretoria de Ensino. Entretanto, a reunião foi peremptoriamente negada. A Diretoria de Ensino demonstra desconhecimento da função do sindicato e fere o princípio de gestão democrática historicamente praticada no Instituto Federal. Na condição de servidores públicos ocupantes de cargo de gestão de instituições federais de ensino, espera-se a abertura ao diálogo aos integrantes da comunidade. 
Sem sombra de dúvida, essa decisão atesta uma aversão ao diálogo, ao debate e ao decoro de portadores de cargos de gestão.  A abertura ao esclarecimento, ao diálogo e ao contraditório é uma condição para a manifestação das diferenças e para a defesa de um ambiente de pluralidade, típico de instituições de educação.
Diretoria da APES