APES envia delegação ao 37º Congresso do ANDES

  • Reading time:2 mins read

       Entre os dias 22 e 27 de janeiro, mais de 500 professores e professoras de Instituições Públicas de Ensino Superior e de Institutos Federais de todo o país se reunirão na Universidade Estadual da Bahia (Uneb), em Salvador (BA), para o 37º Congresso do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (ANDES-SN). O congresso é organizado pela Associação dos Docentes da Uneb (Aduneb – Seção Sindical do ANDES-SN).

       A delegação da APES escolhida em assembleia será composta por 15 professores e professoras da UFJF e do IF Sudeste MG. Como ressalta o diretor da APES, Professor Thiago Barreto, o congresso tem um importante papel de formação da categoria. Nesse sentido, a APES promoveu seminários preparatórios para que a delegação fizesse um estudo do Caderno de Textos com as principais questões a serem discutidas durante o evento.

       Marcos Vinícius Leite é Professor do IF Sudeste MG e participará do congresso como observador. Segundo Marcos, “a expectativa é de que a gente possa partir de um amplo debate, redefinir as políticas do sindicato, para fazer os enfrentamentos que são necessários para manutenção do nosso ideário de uma educação pública, gratuita e de qualidade para todos e dando enfoque na luta contra as contrarreformas que estão colocadas, sobretudo contra a reforma da previdência e o desmanche do funcionalismo público.”

       O Professor Thiago Barreto aponta que “por ser instância deliberativa máxima, o Congresso do ANDES tem um papel fundamental de fazer um balanço do que ocorreu no ano anterior e nos instrumentalizar, nos dar diretrizes de como serão os enfrentamentos durante o ano. Numa conjuntura de retiradas abruptas de direitos como o que a gente está enfrentando, de retirada de direitos da nossa categoria, da classe trabalhadora como um todo, o ANDES irá debater coletivamente quais vão ser as melhores táticas para tentar reverter esse quadro, para que a gente realmente possa lutar por uma sociedade mais justa e democrática;  que a gente possa romper com as amarras da elite dominante, da grande burguesia nacional e internacional.”