Assembleia Docente rejeita Ensino Presencial Híbrido na UFJF

  • Reading time:5 mins read
Professores e professoras da UFJF e do IF Sudeste MG, reunidos em assembleia no final da tarde de quinta-feira, 18 de março, aprovaram uma série de deliberações em defesa da educação e dos direitos docentes.

Contra o Ensino Presencial Híbrido na UFJF
A assembleia se posicionou contrária à realização do Ensino Presencial Híbrido na UFJF, na defesa de que a volta às aulas seja vinculada à ampla vacinação da população. Indicou ainda a colocação de um banner na frente da sede com a defesa desta deliberação e a divulgação de nota da diretoria contrária ao Ensino Presencial Híbrido.
A nota traça uma série de considerações sobre o contexto e as condições de agravamento e descontrole da pandemia; o aumento do número de vítimas fatais, que atinge todas as faixas etárias; sobre o risco para a vida de TAEs, estudantes e docentes, resultante da medida; sobre o peso da UFJF que traz sobre a cidade, com impacto inclusive para as demais redes educacionais, e finalmente sobre os exemplos de fracassos na implantação do modelo, entre outras tentativas de volta ao ensino presencial. A nota alerta ainda para o fato de que a adoção de um modelo híbrido de ensino tende à naturalização, tirando o caráter emergencial do ensino remoto e dando a ele um caráter permanente. E conclui dizendo que “Os docentes e as docentes reafirmaram que a vacinação ampla e irrestrita de toda a população através do SUS é condição para a retomada de qualquer atividade presencial de ensino no âmbito da instituição”.Clique aqui para ler a nota.

Greve sanitária
Com relação à possibilidade de uma greve sanitária, os docentes resolveram manter o posicionamento aprovado na última assembleia, de que ainda não é a hora para a deflagração do movimento, mas que a APES vai seguir observando a situação de perto, diante da possibilidade de uma volta às aulas que coloque em risco Docentes, Técnicos Administrativos e Estudantes.Delegados para o CONADO professor Augusto Cerqueira, da direção da APES, foi indicado como delegado da Seção Sindical no 11º CONAD Extraordinário, que se realiza entre 27 de março e 3 de abril, de forma virtual. O encontro tem como tema central “Em defesa da vida, dos serviços públicos e da democracia e autonomia do ANDES-SN”. Os docentes Leonardo Andrada e Lisleandra Machado, foram indicados como observadores/suplentes.
Com relação a este Conad, a diretoria da APES achou por bem colocar em discussão dois Textos-Resolução,TRs, que constam no caderno de textos e que dispõem sobre a forma de organização do Andes-sn durante a pandemia. O TR 8 que, resumidamente, indica a realização de um Congresso Virtual em maio, e o TR 7, que venceu a votação, que indica a realização de CONADs a cada 3 meses e de Reuniões dos Setores do ANDES-SN, com eleição de delegado em assembleia e poder deliberativo.

Posição contrária à participação na Comissão do PID RID do IF Sudeste MG
Os docentes aprovaram que a APES deve levar, à reunião da intersindical, grupo que congrega sindicatos como Sintufejuf e Sinasefe, posição contrária à participação das entidades na comissão montada no IF Sudeste MG que vai discutir o Plano Individual Docente ( PID ) e o Relatório Individual de Docente ( RID ). 
O problema é que a comissão pretende debater a questão, tendo por base a Portaria 983, que já foi denunciada pelas entidades como ilegal, além de trazer sérios prejuízos ao tripé “Ensino, Pesquisa e Extensão”, entre outros pontos negativos. A ideia é que a Portaria, que entra em vigor apenas em junho, possa ser derrubada até lá.

Dia Nacional de Lutas 
Os presentes à assembleia tiveram ainda a análise de conjuntura da diretoria e informes sobre a atuação do Fórum das Entidades dos Servidores Públicos Federais de Juiz de Fora e Região, do qual a APES faz parte. O FOSEFE tem trabalhado durante toda a semana, contra a Reforma Administrativa, com carro de som, faixas, outdoors, chamadas nas rádios e campanha virtual. A mobilização vai culminar com o dia 24 de março, Dia Nacional de Paralisações, Mobilizações e Greve nos Serviços Públicos, com ações em todo o país e nas redes sociais, tendo a adesão da APES.