Docentes aprovam realização do 40º Congresso do ANDES-SN presencial em 2022

  • Post author:
  • Post category:noticias

Nos dias 15 e 16 de outubro, docentes estiveram reunidos, por meio virtual, no 13º Conad Extraordinário do ANDES-SN, que teve como tema central “Conjuntura e Congresso do ANDES-SN”. Pela APES, participaram o professor Leonardo Silva Andrada, como Delegado, e as professoras Nayara Rodrigues Medrado, como primeira suplente/observadora, e Lisleandra Machado, como segunda suplente/observadora.

Professores e professoras aprovaram a realização do próximo Congresso do ANDES-SN em 2022, no formato presencial, levando em conta o quadro da pandemia da Covid-19 e as condições de segurança sanitária. O 40º Congresso do ANDES-S será realizado no final de março de 2022, na cidade de Porto Alegre (RS). O evento será sediado pela seção sindical do ANDES-SN na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), conforme deliberado no 39º Congresso, ocorrido em fevereiro de 2020 em São Paulo. As delegadas e os delegados deliberaram ainda remeter a definição do plano sanitário e demais questões específicas do 40º Congresso à comissão organizadora, que será formada por representantes da Seção Sindical e da Direção Nacional.

Conjuntura

Reforçar a unidade entre docentes e com demais categorias para barrar a reforma administrativa, os ataques à educação pública e à ciência e tecnologia e derrubar Jair Bolsonaro e sua política genocida foi o chamado presente em quase todas as falas da plenária de Conjuntura do 13º Conad Extraordinário. O debate ocorreu na tarde de sexta-feira, 15 de outubro.

Em relação à Reforma Administrativa, foi destacada a pressão exercida junto aos parlamentares pela Jornada de Lutas em Brasília, com grande participação do ANDES e seções sindicais. A jornada entra na sua quinta semana e tem sido fundamental para impedir o avanço da tramitação da PEC 32. Nesse sentido, as e os participantes apontaram ser fundamental reforçar a mobilização unificada, pois barrar a PEC 32 representará uma grande derrota ao governo Bolsonaro.

Na educação, foi destacada a defesa da recomposição orçamentária para as Ifes, a ampliação do debate sobre as condições sanitárias para o retorno às atividades presenciais e a luta junto à ANPG após os anúncios dos cortes na pós-graduação.

Leia a cobertura completa aqui

Moções

Foram aprovadas moção de apoio à greve sanitária das professoras e dos professores da Universidade Federal de Lavras, contra a imposição do retorno ao ensino presencial sem condições adequadas; e moções de solidariedade às comunidades quilombolas de Tanque da Rodagem e São João no Maranhão, vítimas de violência e ameaça de morte; e aos familiares e amigos e amigas das centenas de milhares de vítimas da covid-19 no Brasil. Os delegados e as delegadas declaram também apoio aos povos originários e nativos da terra brasileira; e à intransigente defesa do Memorial Luís Carlos Prestes em Porto Alegre (RS), memória viva das lutas populares do povo brasileiro.

Os e as participantes do 13º Conad Extraordinário do ANDES-SN manifestaram ainda seu repúdio e preocupação com o julgamento da medida cautelar na ADI nº6565, que trata da nomeação de reitores e reitoras nas Instituições Federais de Ensino Superior; repúdio ao veto racista e misógino do presidente Bolsonaro à distribuição gratuita de absorventes higiênicos para combater a pobreza menstrual; repúdio aos no orçamento do Ministério de Ciência e Tecnologia; repúdio à violência perpetrada pelo estado de Rondônia e pelo governo Bolsonaro e Mourão, que criminaliza a luta pela terra e utiliza do aparato repressor em grande operação de cerco contra os acampamentos Tiago dos Santos e Ademar Ferreira, na zona rural de Porto Velho (RO); e também à política ambiental do governo federal e do governador do Pará, Hélder Barbalho, que têm resultado no aumento assustador do desmatamento e da violência sobre os povos originários e trabalhadores e trabalhadoras rurais.

Acesse a Carta do 13 º Conad Extraordinário aqui

Com informações do ANDES-SN