Docentes da UFC sofrem perseguição política: confira nota de repúdio do ANDES

  • Reading time:3 mins read

A diretoria do ANDES publicou nesta quinta-feira, 17 de setembro, uma nota de repúdio contra a perseguição política sofrida por professores e professoras da Universidade Federal do Ceará (UFC). Como denuncia a nota, a UFC “é uma das dezenas de Instituições de Ensino Superior (IES) que sofreu um duro golpe na nomeação da escolha democrática pelos três segmentos universitários. O governo de Bolsonaro nomeou o último colocado da lista tríplice, José Cândido Lustosa Bittencourt Albuquerque, com votação pífia de 610 votos na consulta pública.”

Neste caso, além do desrespeito à escolha da comunidade universitária, houve perseguição explícita aos docentes e às docentes que fazem oposição ao nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro. Como relata a nota de repúdio do ANDES, o novo reitor é professor da Faculdade de Direto (FaDir), onde estão lotados(as) os(as) docentes que fazem oposição a ele desde à época em que era diretor da FaDir . O professor José Cândido Albuquerque instituiu ato normativo interno, obrigando docentes à retomada das atividades pedagógicas remotas, em total afronta a Resolução nº 08 do Conselho Universitário (Consuni), que prevê a retomada do ensino remoto de modo facultativo.

“O(A)s docentes são membros do conselho de representantes da ADUFC
(Sindicato dos Docentes das Universidades Federais do Estado do Ceará), membros do Instituto Latino Americano de Estudos sobre Direito, Política e Democracia (ILAEDPD) e da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD). Há uma explícita perseguição política com medidas de sindicância e processo administrativo, com prazo de 60 dias para conclusão e indicação de demissão.”.

Diante dos fatos, “o ANDES-SN manifesta sua solidariedade à(o)s docentes perseguidos e perseguidas e se coloca à disposição para adotar medidas para garantir o pleno desenvolvimento de suas atividades acadêmicas e de pesquisa.”

Leia Nota na íntegra aqui