ENSINO REMOTO EMERGENCIAL NO IF: APES se reúne com Diretor de Ensino do campus JF

  • por

Representantes da APES participaram de uma reunião virtual com o Diretor de Ensino do IF Sudeste MG, Campus Juiz de Fora, na quarta-feira, 11 de novembro. A pauta principal do encontro foram aspectos do Ensino Remoto Emergencial na instituição. Estiveram presentes o Diretor de Ensino Silvio Anderson Toledo Fernandes, os Conselheiros da APES Miguel Fabiano de Faria e Graziany Penna Dias e o Diretor da APES Jalon de Morais Vieira. A reunião se deu em função das demandas docentes diante dos problemas vivenciados na implementação do ERE no IF Sudeste MG.

Posicionamento da APES

O diretor da APES Jalon de Morais informou que a demanda para a reunião partiu da base, bem como de discussões na Diretoria da APES. Jalon salientou sobre disposição da entidade em colaborar com este diferente momento pelo qual estamos passando. E enfatizou o posicionamento da APES em relação ao ERE tal como ele foi implementado no IF Sudeste MG, deixando a desejar consideravelmente pelo aspecto pouco democrático, pelos atropelos em seu processo, pela ausência de debate qualificado sobre o assunto, dentre outras questões.

Jalon informou que a APES, preocupada com as condições de vida e de trabalho da categoria docente, está realizando um levantamento junto aos professores e professoras sobre o ERE, na tentativa de fazer um diagnóstico sobre o momento complicado em função das adequações, mudanças, preocupações e dificuldades na implementação do ERE no cotidiano dos docentes na instituição. Confira os canais de atendimento criados pela APES aqui.

IF Sudeste MG

O Diretor de Ensino do IF Sudeste MG, professor Silvio Fernandes, agradeceu o convite e mostrou-se preocupado com o período vivenciado. Por conta das particularidades e em função da realidade de vida da população brasileira, Silvio Fernandes entende que o ERE não é para todos e todas, mas afirmou que o IF tem feito de tudo para que os estudantes possam ter acesso ao ERE. Estes esforços têm sido desde auxílios com bolsas para aquisição de pacote de internet e compra de equipamento, quanto o empréstimo de equipamento da própria instituição.  Em relação a forma pelo qual o ERE foi implementado, Silvio Fernandes reconheceu que este poderia ter sido mais discutido nas bases antes de sua implementação. Fez um relato também sobre ajuste realizado no questionário discente para avaliação do ERE e informou que, por conta de entendimentos, a situação está sendo acertada.

Demandas da base e desafios do ERE

Os Professores Miguel e Graziany apresentaram demandas apontadas por professores e professoras da base. Ressaltaram sobre pontos relacionados a excesso de trabalho, estrutura inadequada para o desenvolvimento de atividades, adoecimento, dificuldades para o uso do SIGAA e problemas com o seu funcionamento, critérios para avaliação de alunos, dentre outros. Além disso, apresentaram também a preocupação levantada por docentes, de que a instituição não pode incentivar o estabelecimento de comparações entre os trabalhos pedagógicos dos docentes, o enaltecimento de algumas práticas em relação a outras. O IF também não deve culpabilizar o corpo docente por um eventual fracasso do ERE, tampouco tê-lo como referência para inciativas futuras, caso seja avaliado como bem sucedido, devido ao seu caráter de precarização das condições de trabalho e da qualidade do ensino. 

O Diretor de Ensino, professor Silvio, considerou os apontamentos pertinentes e informou que já havia recebido algumas queixas, mas que, de certa forma, as atividades voltadas ao ensino estão sendo desenvolvidas dentro do que é possível. Informou que espera ansiosamente para o término deste modelo para que as atividades presenciais sejam retomadas o quanto antes, mas respeitando as condições de segurança para alunos e servidores.

Ao final da reunião, os participantes se comprometeram em manter a vigilância sobre as condições estabelecidas pelo ERE no IF Sudeste MG, na tentativa de contribuir para que este momento, mesmo com todos os problemas, possa nos servir de experiência para refletir sobre os rumos a serem tomados por nossa Instituição.