Famílias sofrem ameaças em nova ocupação do MST

  • Reading time:3 mins read

 Segundo nota publicada hoje pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), famílias que ocuparam uma nova área foram ameaçadas por dois “jagunços” na tarde de ontem, 18 de janeiro. Conforme informações divulgadas nas redes sociais pelo movimento, a abordagem aconteceu enquanto trabalhadores e trabalhadoras construíam as novas moradias no local. Foi registrado um boletim de ocorrência na Delegacia da Polícia Militar em Barbacena e foi acionada a Secretária de Direitos Humanos da cidade, que garantiu que irá tomar as devidas providências. 
A nova ocupação dá continuidade ao processo de retirada do Acampamento Gabriel Pimenta, que teve a reintegração de posse determinada pela Justiça. No último sábado, dia 13 de janeiro, 100 famílias chegaram à Fazenda da Serra, uma área improdutiva com mais de 4 mil hectares localizada no município de Antônio Carlos (MG), entre os municípios de Santos Dumont e Barbacena. Segundo Dowglas Silva, Comunicador do MST, a ocupação aconteceu de forma tranquila e as famílias continuam chegando ao local. Até o momento, nenhum responsável pelas terras fez contato e a polícia compareceu como operação de rotina, mas sem interferir.
A área pertencia à Companhia Têxtil Ferreira Guimarães, que teve falência decretada em 2013. Em agosto daquele ano, a Justiça determinou o leilão de suas propriedades, mas como não houve interessados em arrematá-las, a fazenda permaneceu em estado de abandono até então. Atualmente, a companhia acumula dezenas de processos trabalhistas, várias dívidas com a União e com o Governo Estadual, ocupando a posição de número 313 entre as 500 empresas que mais devem à Previdência Social, com uma dívida total de R$ 118.374.557,32 segundo a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN).
Outras 50 famílias que moravam no Acampamento Gabriel Pimenta já haviam ocupado uma área em Tocantins (MG) no dia 26 de dezembro do ano passado. Essas terras foram cedidas pelo Estado de Minas Gerais após uma intensa negociação com o Governo.
Com o deslocamento das famílias para as novas ocupações, a reintegração de posse da Fazenda São José-Liberdade foi executada pela Justiça no dia 15 de janeiro sem conflitos. O Gabriel Pimenta durou 6 meses e abrigou 310 famílias, que construíram uma escola, uma padaria e uma ciranda, e produziram hortaliças, feijão, abóbora, milho e doces. Na ação desta segunda-feira, os alojamentos construídos foram derrubados, e os terrenos, limpos, por ordem do proprietário, que acompanhou a ação.
Segundo nota divulgada pelo MST, “com a mudança de endereço as famílias do acampamento Gabriel Pimenta têm a sua esperança renovada e a certeza de que a luta pela terra vai muito além das cercas de um único latifúndio”.

 

Fotografia: Dowglas Silva