Hospital Universitário poderá renovar com Fundação

  • Reading time:2 mins read

O contrato firmado entre a Fundação do Hospital Universitário e o HU/UFJF poderá ser renovado até o fim desse mês, segundo informações do  Diretor Administrativo da Unidade, Alexandre Magno. No entanto, nos corredores do Hospital, não se fala em outra coisa e a renovação é dada como certa. A possível decisão provocou o estranhamento do Comitê em Defesa do HU, já que a impossibilidade dessa renovação era argumento utilizado pelos defensores da EBSERH. Segundo os defensores da adesão, a empresa seria a única salvação quando a Fundação se retirasse no dia 31 de outubro de 2013.

“A renovação do contrato com a fundação HU mostra como era falacioso um dos principais argumentos usados pra pressionar os membros do Conselho Superior a aprovar a adesão à EBSERH. O discurso oficial dizia que era impossível a renovação do contrato e que isso acarretaria a demissão sumária de centenas de trabalhadores. Sete meses depois, estamos vendo que isso não era verdade. Continuamos exigindo que se abra concurso público para que a substituição seja gradativa sem impactar os serviços do hospital”, diz Flávio Sereno, do Comitê em Defesa do HU.

Alexandre Magno relata que a EBSERH informou que não vai poder assumir os recursos humanos do Hospital esse ano. Até agora apenas hospitais de Brasília, Espírito Santo, Maranhão e Piauí tiveram registrada a presença da empresa. Em 2009, o Tribunal de Contas da União havia considerado ilegal a utilização de recursos humanos sem concurso público. “A questão é que o governo não realizou concurso público que contratasse pelo RJU, como defendemos, e resolveu apresentar a EBSERH como solução, com contratação via CLT”, afirma Magno. Ele diz que, como a EBSERH não veio, a renovação poderá ser o caminho.

Comitê espera da Reitoria da UFJF resposta sobre retomada da discussão sobre a EBSERH

O Comitê em Defesa do HU ainda está esperando a resposta da Reitoria ao ofício em que solicita a volta da discussão da EBSERH no Conselho Universitário. O documento foi entregue há mais de dois meses. “Não é possível que a administração da UFJF siga ignorando os movimentos organizados e se escondendo do debate”, argumenta Sereno