Trabalhadores protestam contra privatização

  • por

Trabalhadores de Juiz de Fora realizaram, nesta quinta feira, manifestação contra o leilão do Campo de Libra, considerado como uma das maiores privatizações da história do país. A avaliação é de que o campo tenha o valor de R$ 1,5 trilhão e está sendo leiloado por R$ 15 bi. “Um verdadeiro assalto ao patrimônio público”, diz Felipe Fonseca da CSP Conlutas.

A APESTV esteve na pafletagem. Confira matéria clicando aqui

Na Justiça contra o leilão

Ainda na quinta feira, o ex-diretor de Gás e Energia da Petrobras no governo Lula Ildo Sauer e o advogado Fábio Konder Comparato protocolaram na Justiça Federal, em São Paulo, uma ação popular pedindo a suspensão do primeiro leilão do pré-sal brasileiro, do campo de Libra, previsto para a próxima segunda-feira, 21.

De acordo com Sauer, atualmente professor do Instituto de Energia e Ambiente da USP, o leilão tem “ilegalidades flagrantes”, sobre as quais não quis especificar, e contraria os interesses nacionais ao “seguir a política energética dos EUA e da China”, para quem o objetivo é “a produção rápida para reduzir o preço”.

Informação do site da folha de São Paulo

 

Petroleiros em greve contra o leilão

Os petroleiros de todo o país entraram em greve por tempo indeterminadocomo objetivo de impedir que os campos sejam gerenciados por empresas privadas.
“Os petroleiros exigem a suspensão imediata do leilão de Libra, a maior e mais importante descoberta de petróleo dos últimos anos, que o governo pretende ofertar às empresas privadas no próximo dia 21”, diz a nota da  Federação Única dos Petroleiros (FUP).

Exército contra os protestos

A presidente Dilma Rousseff convocou o Exército, a pedido do governo do Rio, para garantir a realização do primeiro leilão do pré-sal, do campo de Libra, na bacia de Santos, na próxima segunda-feira, 21. A mobilização contará com 1.100 homens do Exército, das polícias Federal, Rodoviária Federal, da Força Nacional, além de agentes das polícias Civil e Militar do Rio.