NOTA DA DIRETORIA NACIONAL DO ANDES EM REPÚDIO À CHACINA DO JACAREZINHO

  • Reading time:3 mins read

Inaceitável, injustificável a execução de 25 pessoas na maior chacina que o Rio
de Janeiro já presenciou. Devemos nos perguntar quantos direitos Constitucionais
foram violados ontem pela chamada Operação Exceptis, uma chacina ordenada pelo
governador Cláudio Castro (PSC-RJ).

O dia 06/05/21 ficará marcado como mais uma ação do genocídio em curso
como política do estado brasileiro. Uma ação organizada para matar sumariamente
moradoras e moradores da favela do Jacarezinho no Rio de Janeiro e que escancara as
relações nefastas entre a milícia, governo e polícia por meio de um aparato Estatal
sofisticado que se soma a ideologia burguesa que criminaliza corpos negros,
pauperizados e legitima esse massacre. Essa não é a primeira chacina operada pelo
governador e parece ter sido um show particular para o presidente da república, que ele
recebeu na sede do governo do Estado no dia 05/05/2021.

Foram tiros de fuzis, invasão às moradias, helicópteros e caveirões, uma guerra
contra a população, em meio a uma pandemia, por mais que o governo continue
tratando-a como gripezinha. Além disso, a ação desrespeita a ADPF que suspendeu as
ações em favelas durante a pandemia, como determinado pelo Supremo Tribunal
Federal (STF).

Operação desastrosa? Não, muito pior: assassinato calculado para desafiar as
instituições republicanas, para demonstrar a disposição em promover uma guerra civil
contra o Estado Democrático. E fazem isso matando vidas negras e pobres! É preciso
reação imediata e contundente da sociedade, não podemos aceitar a impunidade como
normalização do genocídio. Apuração e responsabilização já!!!

Nossa solidariedade à(o)s moradora(e)s do Jacarezinho especialmente às
famílias que perderam seus entes.
Fora Bolsonaro e Mourão!

Brasília(DF), 7 de maio de 2021

Diretoria do ANDES-Sindicato Nacional

Confira o arquivo na íntegra aqui.