“Ocupa Brasília” – Docentes da APES participam de ato na capital federal

  • Reading time:5 mins read

Na última terça-feira, dia 14 de junho, docentes de universidades, institutos federais e cefets de todo o país se dirigiram à capital federal para participar do ato nacional “Ocupa Brasília”. Pela APES, estiveram presentes os/as diretores/as Leonardo Andrada e Nayara Medrado, e os/as docentes da base da entidade Dileno Dustan, Fabio de Lima, Jalon de Morais, Lisleandra Machado, Lucas Ferreira e Raquel Portes. A caravana da APES se somou ao ANDES e demais seções sindicais para compor um grande dia de mobilização com as demais categorias do serviço público federal, trabalhadoras e trabalhadores de empresas estatais, estudantes e representantes de movimentos sociais e populares. 
              O protesto reuniu cerca de 5 mil pessoas, contra os cortes na Educação, contra a privatização das estatais e em defesa dos serviços públicos. Além da pauta do Ocupa Brasília, servidores e servidoras da Funai, que estão em greve pela exoneração do presidente do órgão, Marcelo Xavier, se juntaram ao ato com cartazes e faixas cobrando justiça pelo servidor da Funai Bruno Pereira e do jornalista Dom Philips, defensores dos povos indígenas isolados e desaparecidos no Vale do Javari desde o dia 5 de junho.
              De acordo com o diretor da APES, Leonardo Andrada, o ato foi bastante movimentado. “Nós estivemos lá com membros da diretoria e da base. Ajudamos na construção da organização, na montagem da estrutura, na recepção  dos que chegavam de outros estados, na distribuição de tickets para garantir o almoço para várias caravanas. Depois fizemos uma concentração em frente ao anexo 2 da Câmara dos Deputados. Alguns dos nossos companheiros entraram no auditório Nereu Ramos para acompanhar uma audiência pública sobre os retrocessos sociais, econômicos e ambientais. O presidente em exercício do ANDES-SN, Professor Milton Pinheiro, fez uma fala e fizemos uma grande caminhada, com 4 a 5 mil manifestantes, com membros do ANDES-SN, Sinasefe, Fasubra, Fenet,  UNE e a UBES, pela Esplanada dos Ministérios e finalmente encerramos na praça da Cidadania, por volta das 19h30, após um grande ato cultural com a apresentação dos Tambores do Amanhã, um grupo de Maracatu, e do Rapper Gog”. 
               Segundo a diretora da APES, professora Nayara Medrado, “o Ocupa Brasília reuniu dezenas de caravanas vindas de diversas partes do Brasil, muitas delas enfrentando viagens de mais de 20 horas de duração. A APES esteve presente, cumprindo seu papel na denúncia do desmonte da educação pública e das condições de trabalho docente. Volto com esperanças ainda mais firmes na potência da luta coletiva de trabalhadores, estudantes e movimentos organizados na defesa de uma educação pública, gratuita, de qualidade e socialmente referenciada”.

              Atividades 

              A concentração do ato aconteceu em frente ao Anexo 2 da Câmara dos Deputados. Diversas representações de movimentos estudantis e sindicais fizeram uso da palavra na concentração, enquanto, dentro do Congresso Nacional, ocorria uma audiência pública com o tema “Retrocessos Econômicos, Sociais e Ambientais do Governo Federal”. Milton Pinheiro, presidente em exercício ANDES-SN, representou a entidade na audiência. Assista aqui a audiência.

              MEC

              Na sequência, os participantes do ato seguiram para o Ministério da Educação (MEC). Com faixas, cartazes e palavras de ordem, os e as manifestantes cobraram uma resposta à Pauta Unificada da Educação Federal protocolada no MEC e o agendamento urgente de reunião com as entidades.
              A Carta é assinada por ANDES-SN, Fasubra, Sinasefe, Fenet e UNE e, no documento, as entidades solicitam ainda uma audiência com o Ministro da Educação,Victor Godoy. Entre os primeiros itens da pauta, estão o reajuste salarial de servidores federais, a revogação da EC 95, a recomposição orçamentária da Educação, Ciência e Tecnologia, Hospitais Universitários e políticas de assistência estudantil, com imediata suspensão dos bloqueios e contingenciamentos, e a apuração das denúncias no MEC.
              A pauta também contempla pontos relacionados à carreira, condições de trabalho, previdência social e políticas afirmativas na educação. Confira a Pauta completa aqui.