Professores e professoras mobilizados contra os ataques à educação

  • Reading time:7 mins read

SemanAPES

Arte pela Educação vai divertir e mobilizar neste domingo no campus da UFJF

                Participe! Participe! Participe!Participe!Participe!arte-no-campus5

                                             15 de outubro, dia da professora e do professor
      cartao-dia-do-profesor

 

                                                            Agenda de Mobilização
agenda-de-mobilizacao8

 

Confira artigo da Diretoria da APES sobre a PEC 241

      Aprovada em 1º turno na Câmara de Deputados na segunda-feira, dia 10/10, a PEC 241 expressa um retumbante ataque aos direitos sociais da classe trabalhadora brasileira. A determinação do congelamento dos investimentos públicos para os próximos vintes anos (até 2036!) repercute, com efeitos dramáticos, não apenas na garantia dos serviços públicos, mas na preservação das condições salariais de trabalhadoras e trabalhadores.
Comemorada com pompa e requinte pelo ilegítimo poder instituído, a PEC  241 reduz ainda mais o já combalido orçamento da educação. Estima-se que o atual orçamento da educação passaria de 131 bilhões para 31 bilhões, com a implantação dessa medida de contenção financeira. Significa dizer que os investimentos em educação seriam reduzidos em torno de 100 bilhões.
Cabe ressaltar que os argumentos de contingenciamento financeiro são pífios, servindo apenas como tentativa governamental de tentar criar um contexto ideológico favorável a negação dos direitos sociais à população majoritária da sociedade brasileira. Sob o argumento de que é preciso conter a dívida pública, o governo prepara o terreno para encolher os investimentos sociais e destinar os recursos arrecadados durante os próximos 20 anos, em clima de recessão ou não, para o pagamento de juros da dívida pública ao capital financeiro. Enfim, o país se tornou o paraíso de banqueiros e rentistas numa medida intangível.
Apoiado por um Congresso conservador e por uma imprensa manipuladora, o ilegítimo bloco no poder tenta silenciar as vozes dissonantes que lutam por um projeto de sociedade justo, democrático e igualitário de acordo com os interesses da classe trabalhadora. Não conseguirá!
Conhecer os desafios que se avizinham constitui-se em uma de nossas maiores virtudes. Já se iniciam as articulações, tanto em nível nacional, como em nível local, para travarmos o bom combate e resistirmos ao projeto dominante. A Greve Geral está no horizonte. É preciso enfrentarmos esse desafio unidos porque, juntos, somos muito mais fortes.

A DIRETORIA

 

Setor das Ifes debate construção da Greve Geral e indica dia de luta pela educação

      Os docentes do Setor das Instituições Federais de Ensino (Setor das Ifes) do ANDES-SN se reuniram nesse final de semana (8 e 9) em Brasília (DF) para avaliar a conjuntura e deliberar sobre as ações de mobilização para o mês de outubro, rumo à construção da Greve Geral. No mesmo final de semana, representantes do Setor das Instituições Estaduais e Municipais de Ensino Superior (Iees/Imes) do Sindicato Nacional também estiveram em Brasília para discutir a mobilização no setor.

Com base nos encaminhamentos apontados pelo Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe), os representantes do Setor das Ifes deliberaram pela intensificação das ações, em conjunto com demais servidores públicos para a construção da greve geral. Nesse sentido, incorporaram o calendário de  mobilização do Fonasefe, com indicativo da Greve Geral para a primeira quinzena de novembro, tendo como referência a data de 9 de novembro, com os seguintes eixos:  “Todos às ruas rumo a Greve Geral! Contra as Reformas da Previdência, Trabalhista e o PLC 30 da Terceirização! Contra o PLC 54 (PLP 257), a PEC 241 e PL 4567! Contra o Ajuste Fiscal e pela Auditoria da Divida Pública e redução da taxa de juros ! Em defesa do Emprego! Contra a Lei da Mordaça e a Reforma do Ensino Médio!”. Os docentes também definiram o dia 25 de outubro como o Dia nacional de luta dos servidores públicos, com mobilização e paralisação, em articulação com todo o setor da Educação – público e privado -, tendo como eixo “Educação na rua contra a retirada de direitos, a Lei da mordaça e a reforma do ensino médio”.

Assembleia da APES

Parte dos encaminhamentos aprovados no Setor das IFE já haviam sido aprovados pela última assembleia da APES, realizada no dia 06 de outubro.

deliberacoes

A partir dessas deliberações, a Diretoria do Sindicato, junto com a Comissão de Mobilização, encaminhou um conjunto de atividades das quais destacam-se as reuniões no âmbito das Insituições de Ensino, atos e panfletagens de rua e reuniões com demais entidades sindicais da área da educação para propor a unificação das agendas de luta e definição de estratégias de resistência. Merece atenção a definição de paralisação das atividades no dia 25 de outubro e a preparação de um ato unificado em frente a Câmara Municipal de Juiz de Fora.

APESTV mostra mobilização em torno da luta contra o desmonte da educação

 

Clique aqui para ver a matéria

Professoras e professores do IF Sudeste MG e da UFJF estiveram no campus da UFJF, no feriado de 12 de outubro, para uma ação de mobilização contra os ataques que a educação e a classe trabalhadora vêm sistematicamente sofrendo a partir do governo federal. A ação, realizada durante a comemoração do dia da criança no campus, foi focada na divulgação da cartilha com informações sobre os efeitos negativos da Medida Provisória 241 que desmonta o Ensino Médio. A ação foi muito bem recebida por pais, mães, jovens e trabalhadores que frequentavam o local.
No próximo domingo, pela manhã, professores e professoras realizam um ato com apresentação de músicos da cidade, atividades artísticas de docentes e estudantes da UFJF e do IF Sudeste MG, com distribuição de pipoca, algodão doce, balas e balões, além da cartilha explicativa.