Confira as informações da mobilização docente

  • Reading time:6 mins read
APES participa de ato na UERJ – repressão e resistência marcaram manifestação
            Representantes da APES, SINTUFEJUF e DCE da UFJF participaram ontem, 19 de outubro, do Ato em Defesa das Instituições Públicas de Ensino, na UERJ. A manifestação, convocada pelo ANDES-SN, marcou a criação da “Frente Nacional em Defesa das Instituições Públicas de Ensino Superior”, com a adesão de docentes, técnico-administrativos em educação, estudantes, entidades da educação e científicas, movimentos sociais, sindicais e populares.
O objetivo da Frente é criar uma unidade nacional na luta em defesa das universidades municipais, estaduais e federais, institutos federais e cefets que enfrentam, nos diferentes âmbitos, um mesmo projeto de ajuste fiscal e consequente desmonte dos serviços públicos.Repressão e ResistênciaOs integrantes do ato se dirigiam da UERJ para a FAETEC quando, na altura do Maracanã, a polícia atacou o ato com bombas de gás lacrimogênio, provocando queimaduras em alguns participantes. Nas redes sociais, a Professora Sara Granemann, que teve a pele e as roupas queimadas, denunciou a violência e relatou a solidariedade e a resistência dos companheiros, que conseguiram chegar até a Faculdade de Educação Tecnológica do Estado do Rio de Janeiro (FAETEC) apesar da repressão policial.
Para a presidente do ANDES-SN, Professora Eblin Farage, o ato foi um marco importante por agregar diferentes entidades, organizações e movimentos sociais e sindicais, além de reitores e parlamentares, na defesa do Ensino Superior Público, e também para dar visibilidade aos ataques que a educação está sofrendo.
A UERJ é o exemplo mais evidente desse contexto. A universidade passa por sua pior crise, com salários de professores e técnico-administrativos em atraso e bolsas de financiamento suspensas. Técnicos-administrativos estão em greve há 11 meses, estudantes ocupam o Bandejão da universidade desde setembro e professores deflagraram greve no dia 3 de outubro, em decorrência, mais uma vez, de salários atrasados e falta de repasses à universidade. Além da UERJ, os docentes da Universidade do Norte Fluminense (UENF) e da Faculdade de Educação Tecnológica do Estado do Rio de Janeiro (FAETEC) também estão em greve. Docentes e técnico-administrativos da Fundação Centro Universitário Estadual da Zona Oeste (UEZO) também estiveram em greve esse ano.
Como avalia o Presidente da APES, Professor Rubens Luiz Rodrigues, “o desmonte que o Governo Pezão tem imposto às instituições públicas do Rio de Janeiro é o símbolo do que os poderosos pretendem fazer por todo o Brasil. Isso já começa a se colocar também no nível federal. É preciso que nos manifestemos nas ruas, como fizemos neste dia 19. Agora é a hora, amanhã pode ser tarde”. Nos próximos dias, docentes de todo o país continuarão reunidos no Rio de Janeiro para as reuniões do Setor das IFES e do Setor das IEES/IMS, conforme a programação divulgada pelo ANDES-SN:Período: 20/10/2017 a 21/10/2017
Atividade: Reunião das docentes e dos docentes do Setor das IFES
Horário Início – dia 20/10 às 14h
Término – dia 21/10 às 18h
Local: Rio de Janeiro (Local a ser informado posteriormente)
Período: 20/10/2017 a 20/10/2017
Atividade: Reunião das docentes e dos docentes do Setor das IEES/IMES
Horário: das 9h às 18h
Local: Sede da CSP-Conlutas-RJ – Rua Álvaro Alvim, 37, 4º andar, Centro, Rio de Janeiro/RJ (na Cinelândia, na mesma rua do Teatro Rival).


Ato em Defesa das Instituições Públicas de Ensino, na UERJ 
Atenção para a nova data da assembleia em 24 de outubro
            A última assembleia da APES foi remarcada, por decisão dos presentes, para o dia 24 de outubro com a mesma pauta. O objetivo do adiamento foi dar condições para que professores e professoras pudessem estar, naquele horário, na Câmara Municipal de Juiz de Fora, para dar apoio aos professores e professoras do Colégio de Aplicação João XXIII que lá defendiam sua autonomia pedagógica. Veja matéria na APESTV clicando aqui

 

APESTV mostra manifestação na Câmara Municipal de Juiz de Fora contra as Moçôes de Repúdio que seriam destinadas à UFJF
            Sindicatos, Movimentos Sociais e representantes da comunidade LGBT estiveram na Câmara Municipal de Juiz de Fora, na terça feira, 17 de outubro, para protestar contra moções de repúdio que seriam votadas naquele dia.
As moções, propostas pelos vereadores André Mariano e José Fiorilo, criticavam a edição e veiculação do vídeo “Na Hora do Lanche”, em que o artista performático Nino Barros incorpora a Drag Queen Femmenino e conversa com as crianças do Colégio de Aplicação João XXIII.
Os vereadores criticavam o que chamaram de apologia à ideologia de gênero.  A reação dos movimentos sociais e sindicatos acabou por fazer com as propostas fossem retiradas e reafirmou a liberdade pedagógica como princípio educacional. A APES esteve presente na luta e docentes do Colégio de Aplicação também fizeram parte do protesto.Clique aqui para ver a matéria na APESTV