Acompanhe todas as notícias do Congresso do ANDES

  • por

Congresso do ANDES tem grande número de participantes

            Mais de 500 professores de Instituições de Ensino Superior de todo o país estão reunidos durante toda a semana em Brasília para o 34º Congresso do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (ANDES-SN). No encontro, instância máxima de deliberação da categoria docente, os professores discutem a conjuntura internacional e nacional e definem as políticas prioritárias do Sindicato Nacional para 2015.A APESJF tem participado ativamente dos debates com uma delegação que inclui 08 delegados.

Sob o tema central “Manutenção e Ampliação dos direitos dos trabalhadores: avançar na organização dos docentes e enfrentar a mercantilização da educação”, os representantes das seções sindicais do ANDES-SN estão debatendo a posição de luta do sindicato frente aos cortes nos orçamentos da Educação, as medidas provisórias 664 e 665, a privatização da Saúde Pública e dos Hospitais Universitários, por meio da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), os fundos de pensão privados para os servidores públicos (como o Funpresp-EXE, o PrevBahia e o PrevCom Paraná), entre outros ataques aos serviços públicos e direitos dos trabalhadores.
De acordo com o presidente do ANDES-SN, Paulo Rizzo, o 34º Congresso do Sindicato Nacional é um momento importante para a reflexão e o debate sobre a educação, as condições de trabalho dos docentes, a conjuntura e os desafios para a classe trabalhadora. “Neste ano, temos uma nova conjuntura política do país, com ajustes fiscais, cortes no orçamento e retiradas de conquistas históricas dos trabalhadores. Será, necessariamente, um ano de muitas lutas, e o objetivo do congresso é preparar os professores para esses enfrentamentos”, afirmou.

Docentes aprovam centralidade da luta para 2015

              A primeira plenária do 34º Congresso do ANDES-SN, com o tema Movimento Docente, Conjuntura e Centralidade da Luta, gerou um longo e proveitoso debate entre os delegados e observadores presentes em Brasília (DF), logo na segunda-feira dia 23 de fevereiro, primeiro dia do encontro.Após cinco horas de debate, o congresso deliberou que a centralidade da luta para 2015 será “avançar na organização dos docentes e na unidade com movimentos e entidades classistas nacionais e internacionais para enfrentar a mercantilização da educação, e intensificar a luta pela valorização do magistério, combatendo as políticas neoliberais e defender intransigentemente os direitos dos trabalhadores”.

34º Congresso aprova realização de Conad extraordinário 

Os delegados participantes do 34º Congresso do ANDES-SN aprovaram na tarde desta quinta-feira (26) a realização de um Conad Extraordinário, até a data do 2º Congresso da CSP-Conlutas, que acontecerá entre 4 e 7 de junho, na cidade de Sumaré (SP). A deliberação se deu, após ampla discussão, durante a plenária do tema 2 “Políticas Sociais e Plano Geral de Lutas”.

O Conad Extraordinário terá como pauta “Contribuições do ANDES-SN para o 2º Congresso da CSP Conlutas”. A data e o local do encontro serão definidos pela diretoria nacional, com base no estatuto do ANDES-SN, e informados posteriormente.

 

Ato em Brasília (DF) marca lançamento da Campanha Salarial Unificada dos Servidores Públicos Federais (SPF)

                     Um ato em Brasília (DF) marcou o lançamento da Campanha Salarial Unificada dos Servidores Públicos Federais (SPF) em 2015, na manhã na quarta-feira 25 de fevereiro. Mais de 500 servidores – na maioria docentes – realizaram manifestação em frente ao Ministério de Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) e apresentaram a pauta do movimento. A atividade, convocada pelo Fórum das Entidades Nacionais dos SPF, foi incorporado à programação do 34º Congresso do ANDES-SN, que acontece na capital federal até sábado (28).
“O ANDES-SN está realizando seu 34º Congresso em Brasília e estamos aqui reafirmando a nossa disposição de luta com o conjunto dos SPF e na busca da unidade da classe trabalhadora para enfrentar os ataques e a perda dos nossos direitos. A crise se aprofunda e várias conquistas históricas da classe trabalhadora estão sendo retiradas. Será um ano de grandes enfrentamentos e precisamos estar preparados Os servidores públicos não aceitam e não vão pagar o ônus da crise econômica”, disse Rizzo.Servidores apontam dificuldades em iniciar negociação com o Governo

Várias das falas dos representantes das demais entidades que compõem o Fórum dos SPF lembraram a enorme contradição entre a recusa do governo federal em negociar com os servidores federais, ao mesmo tempo em que reajusta os salários dos mais altos cargos do poder público e mantém a destinação de quase metade do orçamento para a dívida pública. Os recentes cortes no orçamento, que atingem diretamente a qualidade do serviço público nas diversas áreas, também foram citados nas intervenções.

Terceirização

Outro tema abordado foi a crítica situação da terceirização do trabalho no país. Além de apontar para a necessidade do fortalecimento das carreiras do serviço público e de realização de concursos públicos, foram denunciadas situações em que os terceirizados. Os trabalhadores do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), sem receber há três meses, também se fizeram presentes no ato. Eles acampam em Brasília desde a segunda-feira (23) para exigir seus direitos do governo federal e da Petrobras, responsável pela terceirização.

Reunião no Mpog
Durante o ato, representantes do Fórum dos SPF – organizador da Campanha Salarial Unificada – buscaram ser recebidos pelo ministro Nelson Barbosa, mas o governo recusou-se a atender os servidores. A polícia fechou o acesso ao interior do prédio. Depois de um apitaço na porta do ministério, os trabalhadores protocolaram a pauta de reivindicações. Entre os vinte itens, estão: reajuste linear de 27,3%, política salarial permanente, com correção das distorções e reposição das perdas inflacionárias, data-base em 1º de maio, direito de negociação coletiva, conforme previsto na Convenção 151 (da Organização Internacional do Trabalho) e paridade salarial entre ativos e aposentados.  Confira aqui os eixos da Campanha Unificada.