Docentes aprovam ações de fortalecimento da greve

  • por

Os 139 docentes presentes à assembleia desta terça feira 28 de agosto aprovaram uma série de ações de fortalecimento do movimento grevista como a ampla publicização da contraproposta do ANDES e esforços para o adiamento das inscrições do SISU e solicitação de audiência com o Reitor da UFJF, no sentido de adiar o PISM.

Acompanhe abaixo a íntegra do que foi deliberado

Encaminhamentos aprovados na assembleia de 28 de agosto

  • Proceder aos encaminhamentos do Comando Nacional de Greve (ver abaixo), dando continuidade às ações de publicização da contraproposta;
  • Propor ao Comando Nacional de Greve que avalie o impacto das ações e os rumos do movimento, considerando os desdobramentos relativos à semana entre 27 e 31 de agosto.
  • Propor ao Comando Nacional de Greve realização de rodada nacional de assembleias entre 04 e 05 de setembro para definição dos rumos do movimento.
  • Realizar a próxima assembleia da APESJF no dia 04 de setembro, às 14 horas, na sua sede, tendo com pauta principal a avaliação das ações realizadas.
  • Indicação, pelo CLG, de até três representantes da APESJF para participar do Comando Nacional de Greve na semana de 03 a 09 de setembro.
  • Indicar ao Comando Nacional de Greve que envide ações junto ao MEC, ANDIFES, CONDICAP e CONIF para adiamento das inscrições do SISU.
  • Indicar o adiamento do PISM pela UFJF, por meio de solicitação de audiência ao reitor da UFJF, ainda no período de greve.

    Docentes aprovam encaminhamentos

 

Encaminhamentos do Comando Nacional de Greve, conforme comunicado Especial de 25/08

  • Continuidade da greve, intensificação das nossas ações pela imediata reabertura de negociações;
  • Garantir maior visibilidade para a contraproposta apresentada pelo movimento, através de novos materiais de divulgação e atividades;
  • Na semana de 27 a 31 de agosto os CLG que ainda não providenciaram devem: a) fazer a entrega da nossa contraproposta aos dirigentes das instituições, protocolando-a formalmente; b) fazer a entrega da nossa contraproposta aos parlamentares federais nos Estados e regiões, reafirmando nossa solicitação para que sejam intermediários pela reabertura das negociações; c) pautar nossa contraproposta na mídia (de várias formas, com releases, coletivas de imprensa, etc.) para dar visibilidade e intensificar a pressão pela reabertura de negociações.
  • Ampliar a pressão sobre o governo, reitores/diretores e parlamentares, para garantir avanços no segundo ponto de pauta, das condições de trabalho, buscando compromissos concretos para atendimento das necessidades de cargos/vagas docentes, de obras e infraestrutura, de respeito a autonomia e a democracia na gestão das instituições, inclusive no que diz respeito aos Hospitais Universitários e a realização de auditoria sobre o REUNI;
  • Ampliar a pressão nos próximos dias sobre o governo, através de: a) atos públicos que garantam visibilidade à luta, denúncia do governo e pela reabertura das negociações; b) pressão sobre a Presidência da República, parlamentares e reitores/diretores para a retomada das negociações, antes do envio do PL ao congresso;
  • Realizar atos nos Estados, articulados nacionalmente, preferencialmente no dia 29 de agosto, avaliando em cada situação as possibilidades de ações unificadas com as demais categorias em greve e levando em conta a necessidade de pressão contundente sobre o governo nessa semana;
  • Cada CLG deve entrar em contato com os senadores do seu Estado, instando-os a participação na audiência pública que ocorrerá na Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal, dia 29 de agosto, para debater o movimento grevista dos professores federais;
  • Solicitar reforço de representantes dos comandos locais de greve no CNG, na próxima semana.

 

Docentes aprovaram Moção de Repúdio contra reitoria da UERJ e Sérgio Cabral

Professores e professoras da UFJF e do IF Sudeste MG, reunidos em assembleia, aprovaram também Moção de Repúdio ao Reitor da UERJ e ao Governador do Estado do Rio de Janeiro, pela utilização de aparato policial na repressão ao movimento grevista naquela instituição. Acompanhe abaixo:

1. MOÇÃO DE REPÚDIO

A Assembleia da APESJF – SSind., reunida no dia 28 de agosto de 2012, manifesta seu repúdio pela forma autoritária, repressiva e violenta com que o reitor da UERJ, senhor Ricardo Veiralves de Castro e o governo Sérgio Cabral vêm tratando a greve de docentes, técnico-administrativos e estudantes nessa instituição. A utilização do aparato policial militar e a criminalização dos dirigentes que representam as entidades desses segmentos constituem-se num ato lesivo ao legítimo direito de greve assegurado pelas normas democráticas do Estado de Direito. Os professores e professoras da UFJF e do IF Sudeste MG se solidarizam com o movimento paredista que já ultrapassa os 60 dias e reivindicam da reitoria da UERJ e do Governo Sérgio Cabral respeito e reconhecimento às reivindicações pautadas no processo.

Encaminhado para:

  • Gabinete do Governador Sérgio Cabral
  • Secretaria Estadual de Educação
  • ASDUERJ
  • DCE UERJ
  • Sindicato dos Técnicos – Administrativos da UERJ
  • ANDES
  • CNG – ANDES